Guia de recomendações para o desenvolvimento de laços familiares saudáveis (parte 2)

Na primeira parte dessas recomendações para construir relações familiares saudáveis, cuidei de três dos pilares que – administrados de forma respeitosa – nos permitirão viver nossos laços familiares de forma saudável: abraçar a autenticidade, auto-satisfazer nossas necessidades , e nos permitem mudar nosso sistema de crenças.

Nesta segunda parte, vou me concentrar em sete afirmações que irão completar nosso guia para navegar em relacionamentos familiares calmos e saudáveis.

PRIMEIRA AFIRMAÇÃO: SUA FAMÍLIA NÃO DETERMINA SUA AUTO-ESTIMA HOJE.

Vamos ver. Os membros de sua família – especialmente seus pais ou responsáveis – moldaram sua auto-estima e seu senso de valor ou não durante o desenvolvimento da sua infância. Porém, como adulto, não é mais necessário que eles continuem a ser os que governam o quanto você vale e quanto de auto-estima você tem.

Como adultos, podemos trabalhar nossa auto-estima e dignidade de maneira pessoal. Isso não pode mais ser oferecido por nossa família, mas deve vir de dentro de nós. É um trabalho interno que devemos fazer com nós mesmos, necessário para viver com calma.

SEGUNDA AFIRMAÇÃO: É NORMAL MANTER PARTES DE SUA VIDA PRIVADA.

Você não precisa contar absolutamente tudo o que acontece com você ou o que você faz e parar de fazer com sua família. Você pode ter seu próprio mundo interior, sua própria intimidade, e tudo bem. Você pode escolher quais itens deseja manter privados e quais deseja compartilhar. Se você não está pronto para compartilhar algo, você não precisa.

Sua vida, suas regras, seus termos. Você escolhe o que compartilhar, o que não compartilhar, a que horas e com quem. Você tem o direito de fazer isso.

TERCEIRA AFIRMAÇÃO: NAS RELAÇÕES FAMILARES É IMPORTANTE NOS DIFERENCIAR.

Embora você faça parte de um núcleo familiar, é bom diferenciar-se dele em um momento da vida. Claro, todas as pessoas têm funções dentro das famílias; regras, crenças, modos de ser e ser. Mas em um ponto do desenvolvimento, é importante nos diferenciarmos e observar: “Eu não sou essebloco. Faço parte dessa família, mas consigo me diferenciar deles. Está tudo bem para mim fazer isso. “

A diferenciação é um processo natural e saudável no desenvolvimento das pessoas.Somos seres individuais. Com necessidades particulares, com desejos particulares, valores pessoais, formas particulares de pensar.E essas particularidades são válidas. Devemos ouvi-los e dar-lhes entidade.

Como vimos em uma das primeiras recomendações, é bom formar suas próprias idéias e valores.Faz parte da construção do nosso próprio caminho. Quando falamos em nos diferenciar, isso implica que não há nada de errado em não incorporar todas as expectativas que mamãe e papai desejavam, que nossos irmãos, tios, avós ou qualquer membro da família desejavam.

Cuidar das expectativas que eles têm de você, do que eles queriam que você fosse, NÃO É SEU PROBLEMA.

QUARTA AFIRMAÇÃO: É CORRETO E NECESSÁRIO ESTABELECER LIMITES.

Embora seja muito comum não saber como começar, aprender a estabelecer limites é uma tarefa muito importante que devemos cumprir em todos os nossos relacionamentos.

Às vezes, ao falar sobre estabelecer limites, algumas pessoas acreditam que é uma prática violenta que envolve gritar com tudo, o tempo todo e com todos . Mas não é assim. E, no outro extremo, estabelecer limites não é mostrar nossas fraquezas a outras pessoas para que se adaptem a nós. Não.

Estabelecer limites é uma ação muito complexa – a ser experimentada e aprendida – que inclui muitas qualidades humanas em si. Desenvolver a capacidade de estabelecer limites saudáveis nos fará usufruir 100% do relacionamento interpessoal.

Entre as qualidades incluídas em DEFINIR LIMITES SAUDÁVEIS estão: a capacidade de nos conhecermos para saber exatamente quais são nossos próprios limites, o “momento” necessário para saber quando é apropriado recorrer a eles e a coragem de ter um ou a si mesmo como prioridade.

Definir limites é algo totalmente pessoal, pois é preciso ter muita clareza sobre o que é permitido e o que não é – e isso varia de pessoa para pessoa. Uma vez que seus limites estejam claros, o que mais custa para a maioria das pessoas surge: a tarefa de dizer NÃO quando é necessário. Porque é claroque um limite é um “não”, dito de forma explícita ou implícita.

Se você reconhece que é difícil para você definir limites e deseja aprendercomo fazê-lo, visite este Guia completo sobre como definir limites saudáveis.

QUINTA AFIRMAÇÃO: OS RELACIONAMENTOS ENTRE ADULTOS SÃO DIFERENTES DOS RELACIONAMENTOS ENTRE ADULTOS E CRIANÇAS.

Os relacionamentos de adulto para adulto são caracterizados por serem relacionamentos de igualdade. Existem coisas que podem ser discutidas porqueambas as pessoas correspondem à mesma hierarquia. Agora, quando se trata de um vínculo adulto-filho (como entre pais e filhos), devemos entender que a hierarquia muda. Não é mais horizontal. Isso NÃO significa que estamos centrados em adultos quando pensamos que estamos certos ou que podemos fazer coisas sobre a criança, mas que há coisas que uma criança deve ter cuidado, conversas que ela não deve acessar e coisas que é melhor impedi-lo de ver ou ouvir.

Existem certos limites e regras que são necessários, mas muitas vezes acontece que nossos pais se tornam nossos filhos, ou nossos irmãos e irmãs fazem as regras para nós porque nossos pais não podem assumir esta tarefa.

Quando percebemos que alguma função foi alterada, temos o direito de reivindicar nossa função.

Estes são apenas alguns exemplos de como fazê-lo de forma simples:“Gostaria que você ocupasse esse papel de tomar a decisão. Depende de você como adulto, e não de mim quem é seu filho ”, ou“ Eu gostaria que você fizesse isso, porque você é meu filho. Eu sou sua mãe e o correto é que você respeite esse limite”.

SEXTA AFIRMAÇÃO: PARA NAVEGAR COM CALMA NAS RELAÇÕES FAMILIARES, VOCÊ PODE VER SUA FAMÍLIA EM PEQUENAS DOSES.

Sim, podemos ver nossa família de vez em quando. Na verdade, com as responsabilidades que a vida adulta acarreta, é comum diminuir o tempo que passamos com membros de nossa família com quem não vivemos mais. Decidir até que ponto mantemos contato com a família é um direito. É normal dar um passo atrás e vê-los em pequenas doses ou encontrar o ponto de seu conforto.

Você não precisa ser o amigo mais próximo de seus familiares; ainda menos se eles te machucarem. É importante deixar claro que perdoar é fazer as pazes com a outra pessoa, abandonar o conflito, mas não significa que seja necessário construir um vínculo de proximidade, amizade e intimidade com essa pessoa.

Se você acha que o tempo que está compartilhando é ruim para você, pode espaçar o número de vezes que vê membros da família. Você pode escolher A DISTÂNCIA ÓTIMA – ou seja, quão longe ou quão perto você deseja estar de seus familiares.

SÉTIMA AFIRMAÇÃO: VOCÊ NÃO TEM QUE TOLERAR ABUSOS SÓ PORQUE SÃO MEMBROS DE SUA FAMÍLIA.

Neste ponto, quero quebrar o famoso mandato “a família sempre primeiro”. ás vezes sim e ás vezes não. Quando a família fere, magoa, insulta, menospreza, humilha, abusa, não precisa vir primeiro. Não porque alguém é um membro de sua família tem o direito de abusar ou abusar de você e de seus limites ou seu tempo. NÃO.

Se você se sente inseguro, se acha que seus relacionamentos familiares o prejudicaram, não precisa continuar a se expor a isso. O autocuidado é um direito seu. Se eles estão abusando de você mentalmente, verbalmente, fisicamente,psicologicamente ou de qualquer outra forma, você tem o direito de se afastar e priorizar você e sua saúde mental.

Até agora foram as dez afirmações que recomendo aplicar a qualquer pessoa que queira ter laços familiares saudáveis na vida adulta.

Para encerrar, quero compartilhar uma série de lembretes para as pessoas que se reconhecem em famílias disfuncionais:

Você não tem que tolerar abusos só porque eles são sua família.

Você pode ter uma família disfuncional e ainda assim criar sua própria família saudável.

Está tudo bem escolher quem é sua família hoje.

É seu direito ficar seguro e cuidar de si mesmo, mesmo que isso signifique se distanciar de sua família.” “Sua família NÃO precisa ser uma representação dequem você é.

Saiba mais sobre meus serviços